23/07/2018

10 Restaurações que resultaram em um desastre total

Conhecer a história da arte, utilizar os materiais certos e conhecer as técnicas de restauração, são alguns dos requisitos necessários para qualquer restaurador de obras de arte. Existem várias restaurações realizadas por pessoas "amadores", e seus resultados acabam sendo bastante controversos. Você quer saber os defeitos mais significativos em algumas restaurações artísticas importantes?

Reunimos para você os mais desastrosos procedimentos de restauração, aplicados a importantes obras de arte.

Tutancâmon

A barba de Tutancâmon foi quebrada durante uma restauração, e os funcionários do Museu Egípcio no Cairo a colaram com um material que é totalmente inadequado para uso em restauração. Repare na linha amarelada entre a face e a barba.

A Virgem e o Menino com Santa Ana

O trabalho que está no Museu do Louvre em Paris foi restaurado em 2012. O verniz ficou mais evidente, e a obra ficou mais clara após a restauração, o que vai de encontro à ideia original de Leonardo da Vinci.

Grande Muralha da China

Um trecho da construção foi reparado e pavimentado entre 2013 e 2014, quando foram utilizados cimento branco e areia em um trecho de aproximadamente 8 quilômetros. A restauração deste monumento não poderia ter sido mais desastrosa.

Grafite de Banksy em Londres

Este graffiti dos protagonistas de “Pulp Fiction”, criado pelo famoso artista urbano Banksy, foi destruído pelos funcionários municipais de Bristol, que o cobriram com tinta para disfarçá-lo. Dizem que o trabalho foi destruído por engano…

Pirâmide escalonada de Djoser

A restauração da pirâmide de Zoser lhe deu uma aparência mais moderna, mas também pode ter causado danos estruturais na pirâmide. Vários especialistas dizem que houve deslizamentos de terra após a restauração, isso por que a empresa que a restaurou nunca tinha realizado esse tipo de trabalho no Egito.

Afrescos da Capela Sistina

Alguns restauradores disseram que todas as camadas de gordura e sujeira no teto eram o resultado das velas acesas da capela. James Beck e outros artistas não concordaram com essa ideia. Também afirmaram que Michelangelo poderia ter usado a fuligem misturada com cola para enfatizar as sombras e melhorar a definição de áreas escuras e secas. O fato é que o resultado não ficou muito legal…

Ecce Homo (Espanha)

A pintura foi restaurada em 2012 por uma pintora amadora da cidade espanhola de Borja, Cecilia Giménez. Porém, por algum motivo, o resultado foi muito diferente do original e se tornou um dos casos mais famosos de restauração que deu errado.

Afrescos da Dinastia Qing

Esses afrescos foram repintados para torná-los mais visíveis no templo budista de Yunjie (Chaoyang), quando as imagens originais estavam desaparecendo. O resultado ficou com cores fortes que lembram um trabalho de pop art.

Mosaicos de Hatay, Turquia

A restauração destes mosaicos foi um desastre completo: depois de serem “restaurados”, perderam quase todo o seu valor e, segundo alguns especialistas, tornaram-se “caricaturas”.

Escultura da Virgem Maria e do Menino Jesus, em Sudbury, Canadá

Esta escultura da Virgem Maria e do menino Jesus está localizada em Sudbury, no Canadá. Por conta de sucessivos vandalismos, o menino Jesus foi decapitado várias vezes. O padre da paróquia costumava encontrar a cabeça em volta da igreja, mas desta vez desapareceu completamente, por isso foi necessário criar uma nova. A artista Heather Wise foi responsável por essa restauração, e criou uma cabeça que não tinha nada a ver com o modelo original, e é que o resultado foi um desastre. O escultor se defendeu declarando que era apenas um protótipo de teste de argila. Finalmente a cabeça foi devolvida e a escultura terminou bem restaurada.


EmoticonEmoticon