10/12/2018

Proibição da melancia e outras leis estranhas que existiram no Brasil

O Brasil é um país enorme, com mais de 5 mil municípios e cada um deles possui suas próprias leis — além das Federais e estaduais. Natural, então, que ao longo de séculos de história algumas esquisitices tenham se transformado em lei. E algumas são tão bizarras que é difícil de acreditar.

É proibido comer melancia

A deliciosa melancia foi proibida em 1894 na cidade de Rio Claro, no interior de São Paulo, pois era acusada de ser agente transmissora de tifo e febre amarela. Hoje em dia a lei já não é mais válida e o consumo de melancia está liberado na cidade!

Aeroporto para disco voador

Em Barra do Garças, no Mato Grosso, o prefeito decidiu construir, em 1995, um aeroporto para receber OVNIs na serra do Roncador, onde ufólogos costumam se reunir. A ideia nunca saiu do papel.

Pagar (literalmente) pelos erros

Em 1998, Pouso Alegre, em Minas Gerais, passou a multar comerciantes que eram responsáveis por outdoors com erros de português. O valor era de 500 reais, com prazo de 30 dias para corrigir.

Máscaras? Só no Carnaval

Epitácio Cafeteira, então prefeito de São Luís, no Maranhão, proibiu em 1968 o uso de máscaras na cidade, exceto no Carnaval ou quanto autorizado pelas autoridades. A desculpa era que o uso do adereço ajudava no disfarce de criminosos.

É proibido usar minissaia

Aconteceu em 2007, na cidade de Aparecida, em São Paulo. O então prefeito José Luiz Rodrigues, que atendia pelo apelido de Zé Louquinho, proibiu a peça, o que acabou gerando protestos.


EmoticonEmoticon